Seu carro: cuide para não ter dor de cabeça



Qual é o sentido de ter algo e não cuidar? Não estamos falando de lavar o carro toda semana ou ser paranoico com tudo envolvido nele. Mas tem coisas bem simples que podemos fazer para melhor manter os nossos companheiros do dia a dia, e não sairmos no prejuízo em certas situações e quem sabe ter seu automóvel bem valorizado na hora da venda.


Procure conhecer o seu carro. Parece estranho, mas cada modelo possui suas particularidades. Motor 1.0 é diferente de 1.6, rodas de 13 polegadas são diferentes das de 16, direção elétrica é diferente da hidráulica, freio ABS é diferente dos a tambor, dirigir um Hatch é diferente de um Sedã, e por aí vai.


Faça as revisões nos períodos programados. Óleo do motor, filtro de ar e óleo são fundamentais nesse caso. Verifique as características do motor do seu carro, cada um roda com seu tipo específico de óleo. Geralmente troca-se de 10 em 10 quilômetros rodados ou um ano.


Os pneus custam caro, na hora de trocar é sempre aquele gosto amargo. Então se previna do gasto precoce, procure calibrar toda semana ou de duas em duas. Os pneus novos conseguem manter mais a pressão, mas os conhecidos como “meia-vida” costumam perder a calibragem mais rápido. E se não se preocupar com isso? Os pneus são os tênis dos carros. Se eles estiverem com diferenças grandes de pressão, um transfere o peso para outro e vão gastando mais e de forma errada. Além disso passam a desgastar peças envolvidas com a roda, como os rolamentos e homocinética. O peso a mais colocado no carro também influencia nesse gasto. A geometria e balanceamento é importante para manter o equilíbrio das rodas. Não precisaríamos tocar no assunto do perigo que há em andar com pneus gastos, sem os sulcos que fazem eles agarrarem no piso e espaços para a água circular, mas basta estar no trânsito para reparar a quantidade de carros circulando com seus pneus lisos!


A bateria está fraca? Troque imediatamente. Não fique forçando o motor com os “trancos”. Os carros antigos tinham motores e composição menos tecnológicos. Ao insistir com esse “jeitinho” de fazer o carro pegar, pode acarretar em sérios danos no motor e circuito elétrico.


Talvez você não conheça ou tenha se esquecido da existência do reservatório do sistema de arrefecimento. Ele é responsável pelo controle da temperatura nos motores a explosão. Quando o sistema de arrefecimento trabalha na temperatura ideal, o motor terá maior durabilidade, menor desgaste e atrito, maior economia de combustível, evita manutenções extras, emite menos poluentes e aumenta seu desempenho. A troca do fluído varia de carro para carro e vale lembrar que cada item possui validade. Se o reservatório secar, seu motor vai ferver e nesse caso o prejuízo é grande.


Saiba o período de troca da correia dentada. Sua função é sincronizar a abertura e o fechamento das válvulas com o sobe e desce dos pistões juntamente com as polias do virabrequim e do comando de válvulas. Geralmente ela é feita de nylon e borracha e as montadoras estipulam um prazo de troca para cada carro ou motor. Por causa do material, ela resseca ou quebra. A importância da troca preventiva se dá pelos graves danos que ocorrem ao se romper a correia, pois com ela, as peças envolvidas se chocam e fazem o motor parar, literalmente! Nesse caso somente a retífica irá resolver, e o gasto passa dos R$ 1.500.


Os carros atuais possuem pintura mais resistente com o tempo, porém não são invencíveis. A lavação e técnicas de tratamento são importantes. Atenção aos carros que “dormem” na rua e passam tempo próximo à maresia. Estes precisam ser lavados e encerados em curtos períodos de tempo.


Se preocupe com a higiene interna. Por dentro o carro é composto de tecido, espuma e áreas que acumulam sujeira e poeira. A limpeza é essencial para manter o ambiente limpo, conservado e com odor agradável. Costume trocar também o filtro do habitáculo do ar condicionado.


Imagine seu carro sem freio. Alguns acidentes são fatais, e problemas nos freios fazem parte disso. Por essa razão e por mais segurança, verifique principalmente as pastilhas, discos e fluido.


Fique atento também com as lâmpadas dos faróis, lanternas traseiras e piscas; óleo da caixa de marcha (apesar de durar bem mais que o óleo do motor); borrachas dos limpadores de para-brisas (se estiverem secas e gastas, além de não ajudarem arranham os vidros); se as rodas estão tortas; nas velas; comportamento da embreagem.

Comentários